24/04/2013 às 20h45min - Atualizada em 24/04/2013 às 20h45min

Procedimento inédito na Santa Casa começa a apresentar resultados positivos

Pela primeira vez na estória a Santa Casa de Misericórdia de São Carlos consegue realizar a captação de córneas com sua equipe da Comissão de Doação de órgãos de maneira própria. Antes era necessário a vinda de profissionais de Ribeirão Preto, porém agora essa equipe esta capacitada e pronta para atuar diretamente nos casos de possíveis doadores.

E o início do trabalho não poderia ser melhor graças sobretudo a conscientização das famílias doadoras das córneas. Até o momento desde que o procedimento começou recentemente já foram realizadas 3 enucleações( retirada de córneas). O primeiro foi na madrugada do dia 19 de abril com um doador de 49 anos, que teve como causa da morte a falência múltipla dos órgãos.

Dois dias depois, ocorreu a segunda captação com um paciente de 31 anos que havia sofrido um acidente automobilístico e também a terceira com um doador de 67 anos que teve uma doença cerebral vascular. Nesses 3 casos, o transporte das córneas para o Banco de Olhos de Ribeirão Preto deu-se através da Polícia Militar Rodoviária que disponibiliza uma viatura prontamente.

No total, já são treze as doações de órgãos na Santa Casa de São Carlos e a terceira comandada por uma equipe treinada daqui mesmo.

O gerente de Enfermagem e membro da comissão  de Doações de órgãos Alexandre Ricardo Zagato é quem realiza as enucleações mas outros membros da comisssão também estão sendo treinados ressalta que esse avanço no processo, além é claro da entrega responsável da equipe, é também pelo fato da conscientização das pessoas que sabem que essa ajuda é para o próximo e significa um ato de amor e solidariedade: " ainda precisamos caminhar e avançar nas campanhas informativas sobre doação de órgãos mas esse trabalho para nós representa o dever cumprido e como é bom saber que outras pessoas estão retomando suas vidas com a recuperação da visão; é realmente gratificante e qualquer palavra nessa  hora seria insuficiente para retratar a grandeza desse ato"; observou Alexandre. Atualmente a fila de espera por córneas no estado de São Paulo é de 460 pessoas.

Como surgiu a comissão de órgãos

"A doação de órgãos é um ato de amor e solidariedade. Quando um transplante é bem sucedido, resgata-se a saúde física e psicológica tanto da família envolvida, como do paciente transplantado."; descreve Alexandre Zagato

Ele explica que a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Carlos conta com uma equipe de Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) e tem como coordenador médico Dr. Ivan Linjardi. Nela, o papel da enfermagem é fundamental tanto na abordagem da família quanto na enucleação (retirada da córnea).

"Na Santa Casa de São Carlos a equipe tem obtido êxito na abordagem aos familiares. A comissão foi criada em 2009, porém retomou suas atividades a partir de setembro de 2012 e até agora ocorreram doze doações de córneas. Este resultado é fruto do empenho de toda equipe. Todos os integrantes da Comissão receberam treinamento para realizar a abordagem aos familiares após a identificação dos potencias doadores, pois são eles quem decidirão pela doação;" falou Zagato.

Ele disse ainda que dependendo dos órgãos a serem doados, há a necessidade de acompanhamento médico, pois vários exames são envolvidos, como ultrasson transcraniano e exames laboratoriais específicos do protocolo. Explica ainda que na doação de córneas, contudo, isso não é necessário.

" Embora existam algumas restrições (dependendo da causa mortis), a Enfermagem tem total autonomia para conduzir o processo; Muitas pessoas ainda desconhecem a doação de órgãos como um ato que pode transformar a dor da morte em continuidade da vida por falta de informação e conscientização. Por isso é importante a realização de campanhas informativas e esclarecedoras pela Enfermagem sobre todos os procedimentos que são realizados para doação. Tais campanhas podem ser realizadas nos meios de comunicação e em parceria com Secretarias Municipais de Saúde e Universidades;" ressaltou.

Segundo ele o sucesso do processo está na abordagem às famílias. Não é fácil abordar familiares no momento da dor. Tudo deve ser feito com bastante respeito e clareza. No ano passado quatro enfermeiros do hospital, membros da Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante receberam treinamento sobre "como abordar a família do potencial doador" no Banco de Olhos do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto.

"A Comissão da Santa Casa de São Carlos tem tudo para se tornar referência na região em transplantes de córneas e, assim, despertar o interesse de outros profissionais (de outros hospitais) para o assunto;" concluiu Alexandre Zagato.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://saocarlosdiaenoite.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp